L U Z D A S E R R A

Fico analisando a nossa incompreensão em relação ao outro e os seus erros. Vejo o quanto somos intolerantes e julgadores das atitudes alheias. Analisamos, julgamos, condenamos e castigamos o outro baseado nos nossos valores de vida. E assim, seguimos em atitudes egoístas que só alimentam a intolerância e a falta de compaixão. E nos vestimos das mais nobres razões para julgar, sem lembrar que a nossa visão da verdade é parcial e limitada ao mundo físico. Nos sentimos com razão e não percebemos as implicações dos nossos atos.

Então eu lhe pergunto: analisando-se como criança da esfera espiritual, (sim! porque estamos em evolução dentro dessa dimensão terrena), como você gostaria de ser tratado pelos seus mentores? Você espera que eles compreendam os seus erros, já que a sua intenção sempre é a melhor possível? Espera que eles percebam que, muitas vezes, você errou por falta de consciência ou de conhecimento? Espera que eles levem em consideração que você foi influenciado por erros do passado e padrões de comportamentos que vem repetindo há muito tempo? Você espera que eles compreendam que, muitas vezes, você age no impulso, motivado por energias externas nocivas? Acredito que sim, não é mesmo? Porque tudo isso são fatores que nos influenciam e fazem com que a matemática dos atos não seja tão simples e mecanicista, resumindo a CERTO ou ERRADO, INOCENTE ou CULPADO, BOM ou MAL.

Dê para o outro o mesmo tipo de compaixão e compreensão que você espera para si. Compreenda que esse caminho é difícil e tortuoso para todos e que erramos e machucamos pelos diversos motivos. Em alguns momentos, erramos de forma inconsciente, em outros por falta de capacidade de fazer diferente. Veja o seu próximo como uma criança que está na sua busca por aprendizado. A sua compreensão não lhe isentará das consequências, mas não aumentará a densidade energética que o erro gera em sua vida. Quando você não sentir-se capaz de compreender, entregue à Deus, ao universo, reconhecendo a sua limitada capacidade de perdoar, mas nunca exerça o julgamento e a condenação. Esse tipo de comportamento, além de não ajudar o outro no processo de crescimento, ainda lhe alimenta com sintonias negativas que travam a sua evolução. Exerça a compaixão, tenha isso como prática e verá que toda situação tem um ângulo de visão, basta que mudemos a perspectiva.

Namastê.

Posts Relacionados

Seja Feliz, Saudável e Próspero

Sobre Nós

Sobre
Cursos
Iniciados
Livros

Luz da Serra 2020 – Todos os direitos reservados.