Criança um estágio da evolução da alma!

Por: Aline Schulz e Alessandra Schuch

Somos compostos por fases. O momento que estamos nada mais é do que mais uma fase. Mais um momento da nossa vida que nos pede aprendizado. Em outras palavras: ciclos.

Ciclo da infância

Este nos ambienta a esta nossa nova existência, tendo tudo ao seu redor como um meio para aflorar sua personalidade congênita. Aquela que nasce conosco! E que sempre vale lembrar, não é construída e sim aflorada neste momento. Em outras palavras, o continuar da nossa caminhada evolutiva em uma nova roupagem, o nosso corpo físico, rumo à iluminação.

Como diria Ramatís, a criança é o corpo físico do espírito que nasce na matéria para recuperar-se dos débitos das vidas anteriores, cujo credor é o próprio planeta onde habita.

Pais e seus Filhos

Olhar a infância pelos olhos de um adulto, principalmente os pais não é fácil. O mesmo se aplica a este ser espiritual espremido em um corpo físico, a criança, um bebê… Quanto mais jovem mais a memória está, digamos: fresca. Como faz pouco tempo que retornou do Plano Astral Superior, a brecha na Lei do Esquecimento ainda é grande.

Cada vez mais temos evidências claras de corpos novos com espíritos velhos. São crianças mostrando situações e fatos que já viveram. Outras, vindo com dons que nem nós mesmos conseguimos explicar.

Com isso, é no mínimo curioso ouvirmos as crianças que estão a nossa volta manifestando comentários firmes e seguros acerca de experiências vividas no passado. Do seu passado em outras vidas, anteriores a esta atual.

Certa vez o filho de um primo meu, com aproximadamente 4 anos de vida terrena, ouvindo sua mãe reclamar dos filhos (E isso incluía a ele mesmo!?!) lhe disse:
– Verdade mãe! Nessa vida não quero ter filhos. Eles incomodam muito…
A mãe, não acreditando no que estava ouvindo questionou:
– Como assim?
A criança prontamente respondeu:
– É mãe. Na minha última vida eu me incomodei muito com os meus filhos. Por isso, nessa vida não quero ter filhos.
Tendo dito isso, naturalmente saiu da sala, deixando para trás uma mãe atônita e extremamente confusa.

Como Terapeutas, temos visto muitos exemplos concretos sobre a lembrança de vidas passadas. Seja através do que os pais nos colocam (buscando entender e compreender qual a sua parcela na contribuição da evolução espiritual deste ?pequeno gigante ser de luz? que hoje está seu filho), do que ouvimos das crianças nascidas ou não. Pois pasmem, a criança dentro do ventre da mãe não apenas se comunica com ela, mas com todo aquele que estiver receptivo e atento a ele.

Atendendo a domicílio uma gestante que estava em repouso, devido as seguidas ameaças de aborto, pude testemunhar algo que me fez parar e refletir. Em uma sessão de Reiki, como de costume, pedi permissão e licença à pessoa para ser um bom canal de energia. Que prevalecesse a vontade de Deus maior sobre a minha e no caso, como se tratava de uma gestante, também pedi para a criança que estava em seu ventre.

Como já sabiam o sexo, o nome já estava escolhido. Assim, pude pedir licença nominalmente. Qual não foi a minha surpresa ao captar uma gargalhada. Não nego, olhei para todos os lados buscando a origem da risada em nosso plano físico. É claro: não encontrei. Essa atitude só fez a risada aumentar para em seguida ?ouvir?:
– Estou aqui. Neste lugar escuro… Aí fora vão me chamar de João*, mas meu verdadeiro nome é Pedro*. Havia me esquecido o quanto é difícil nascer. Ainda mais nesta minha situação… Estou lutando muito para poder encarnar, ou, o que vocês vulgarmente chamam: vingar.

Diante disso, gentilmente pedi a ele que se acalmasse, pois esta não era a sua primeira vez e nem seria a última. Que aceitasse a energia Reiki e relaxasse.

E assim aconteceu, pois o silêncio voltara…

Após a sessão, tendo a mãe voltado a sua percepção do aqui e agora, começamos a conversar. Em um primeiro momento quis falar sobre o acontecido, porém, refreei meu primeiro impulso a espera de um sinal do universo para que isso ocorresse ou não. Qual não foi meu susto ao ouvi-la falar que havia sonhado com o seu falecido avô. Confesso: um intenso frio percorreu minha coluna. Afinal, estaria o Pedro* retornando?

Disfarcei minha ansiedade em logo perguntar se seu nome era Pedro*. Aguardei pacientemente que houvesse uma deixa na fala dela para que com a maior naturalidade possível pudesse questionar a respeito. Assim como precisei disfarçar minha expectativa, precisei omitir minha decepção, pois o nome era outro. Continuamos a conversar sobre amenidades e estava para me despedir quando em meu coração senti que deveria perguntar se havia algum Pedro* na família. Assim o fiz.

Os olhos da futura mãe arregalaram-se expondo seu espanto, pois Pedro* era nome do falecido avô do seu esposo. Anos antes ela mesma conversando com amigas sobre vidas passadas disse que se um dia uma antepassado fosse voltar que ela gostaria que fosse ele. Foi um choque… Para ambas! Estávamos diante de uma prova irrefutável dos ciclos reencarnatórios. Sem julgamentos, cada uma seguiu com seus afazeres diários refletindo profundamente sobre o acontecido.

Certo dia um casal que recém grávidos escolhiam o nome do bebê que estava por vir. Mesmo sem saber o sexo, definiram que se fosse menina se chamaria Ana* e se fosse menino, José*.

O tempo passou e aos cinco meses se confirmava o sexo da criança, era uma menina. Ela se chamaria Ana*. O pai todo orgulhoso havia escolhido o nome. A Ana* nasceu e no dia do seu registro os pais foram organizar seus documentos e encontraram a certidão de nascimento da avó de Ana*. Qual foi a surpresa ao perceberem que o nome de sua bisavó paterna era Patrícia Ana*. Sem tomar nenhum conhecimento da situação o casal feliz achou ter homenageado a bisavó com o nome da filha.

Essas são apenas algumas histórias que estamos compartilhando com você leitor.

Qual seu objetivo?
Refletir sobre o quanto pouco prestamos atenção a sabedoria destes ?pequenos gigantes de luz? que estão presentes em nossa vida. Ignorando suas falas. Subestimando sua surpreendente sabedoria. O quanto eles (as) podem ensinar acerca da nossa origem, contribuindo efetivamente para a nossa Evolução Espiritual aqui e agora.

Fique atento (a).
Pense nisso.

* Os nomes descritos acima são fictícios.

Autoras:
Alessandra Bernardi Ramos Schuch
Aline Elisângela Schulz.
Envie seu comentário para [email protected]

Redação Luz da Serra

Redação Luz da Serra

A Luz da Serra é fruto do desejo dos amigos, e hoje sócios, Bruno Gimenes, Patrícia Cândido e Paulo Henrique T. Pereira, de transformar a vida das pessoas,trazendo bem-estar, saúde e prosperidade, a partir de uma nova consciência evolutiva através de paz, equilíbrio autoconhecimento e sucesso pessoal. Com mais de 15 anos de jornada, localizada na cidade de Nova Petropólis/RS, a instituição genuinamente espiritualista é referência no segmento da espiritualidade sem cunho religioso no Brasil. Mas na Luz da Serra também tem um bando de GENTE FELIZ que vive pelo mesmo PROPÓSITO: levar LUZ às pessoas! E que não estão neste mundão a passeio, gente linda que com a EMOÇÃO à flor da pele leva a MISSÃO da LUZ DA SERRA para onde for preciso, para onde precisar de mais SORRISOS!

Assine nossa Newsletter e fique por dentro de todas as nossas novidades!​

Seja Feliz, Saudável e Próspero

Sobre Nós

Luz da Serra 2020 – Todos os direitos reservados.