HomeMestres EspirituaisShiva, o Deus da Destruição | Semana do Mestre

Shiva, o Deus da Destruição | Semana do Mestre

Você já sentiu alguma vez em sua vida que alguém ou alguma coisa lhe virou de cabeça para baixo, como se alguma força natural viesse lhe sacudir? Essa força não é ninguém mais e ninguém menos do que Shiva, mais conhecido como o Deus da Destruição.

Shiva Significado

Shiva é um deus do hinduísmo que aparece em nossas vidas para destruir a ilusão da matéria. Assim como o Deus cristão, Shiva é considerado onipresente, ou seja, a presença divina que habita todas as formas de vida e está presente em todos os lugares. Também é considerado tanto um Deus como uma força natural.

Shiva: o Deus da Destruição

Na Índia, Shiva é considerado uma força divina da destruição, seja para destruir ilusões ou encerrar ciclos. Sempre que procrastinamos ou deixamos algo para resolver depois durante muitos anos, Shiva se faz presente para encerrar esse ciclo que estamos adiando faz muito tempo de maneira brusca, pois só ele tem a força necessária para fazer a mudança que precisamos e nos colocar de volta aos trilhos, ou seja, no caminho correto da missão de nossas almas.

Shiva é a força de uma tempestade, um desastre natural, presente em tsunamis e furacões. Quando ele se faz presente, é porque deveríamos ter tomado algumas atitudes diferentes em relação ao nosso passado e ter encerrado assuntos inacabados, como perdoar pessoas, resolver nossos relacionamentos, trocar de emprego, mudar de cidade, trocar de curso, ter dito ‘não’ algumas vezes, melhorar nossos sentimentos e emoções, dentre diversos outros motivos.

Não tem nada que faça essa força parar, podendo se apresentar, por exemplo, na forma de uma doença para trazer transformação e ensinamento interior. Às vezes aprendemos uma lição apenas quando sofremos um acidente grave ou quando vamos parar em uma cama de hospital. Esse acontecimento é equivalente ao Karma para algumas pessoas. Já os astrólogos se referem a isso como Saturno.

Para aqueles que não gostam de mudanças e reviravoltas bruscas em suas vidas e que gostariam de evitar se encontrar com Shiva, é necessário realizar suas tarefas e assuntos inacabados antecipadamente e de maneira correta, como por exemplo: fazer o tema antes que o professor cobre e estudar para a prova ao invés de colar. Se fizermos nossa parte e tomarmos as atitudes necessárias de maneira antecipada, não é necessário que venha a energia transformadora e brusca de Shiva em nossas vidas.

Pare, reflita e reconquiste sua missão

Nessa semana, pense na lista de coisas que você não fez, nos sonhos que ficou para trás, na lista de tarefas que você deixou para depois e desistiu, e comece a retomar essa lista, entrando em contato com tudo o que perdeu pelo caminho, ou pelo menos pense nisso, pois quando mostramos para a energia universal que damos atenção a esses assuntos, as coisas ficam mais amenas.

Retome sua lista de sonhos perdidos e apague tudo o que precisar, assim você evita que essas forças apareçam em sua vida e revire tudo de cabeça para baixo, pois isso só é necessário para aqueles que deixam tudo para depois ou para última hora.

O que achou de conhecer mais sobre Shiva e seu poder? Comente aqui embaixo. Muita luz!

Patrícia Cândido e Redação Luz da Serra

Aviso de Propriedade

Todos os conteúdos do site Luz da Serra são protegidos por copyright, o que significa que nenhum texto pode ser usado sem a permissão expressa de Luz da Serra Editora Ltda, mesmo citando a fonte.

<p>Uma das responsáveis pela expansão da Espiritualidade no Brasil, com base nos ensinamentos dos Grandes Mestres Espirituais. É filósofa, escritora, palestrante espiritualista, CEO e cofundadora da Instituição Luz da Serra. Escreveu 11 livros, sendo 6 em coautoria, com um título entre os mais vendidos da revista Veja, e 02 programas transformacionais em áudio sobre prosperidade. Patrícia é destaque nas redes sociais produzindo vídeos no canal Luz da Serra, no YouTube, que já ultrapassaram a barreira dos 31 milhões de visualizações ao ano.</p>

Deixe um comentário

NENHUM COMENTÁRIO