O CONCEITO DE DEUS NO BUDISMO

A cosmologia do budismo tinha dois pontos fracos: a sua contaminação pelas muitas superstições da Índia e da China, e a sublimação que fez de Gautama, primeiro, o iluminado, e, depois, o Eterno Buda.

Do mesmo modo que o cristianismo sofreu com a absorção de muitas coisas errôneas da filosofia humana, o budismo também traz a sua marca humana.

Contudo, os ensinamentos de Gautama continuaram a evoluir durante os últimos dois milênios e meio.

O conceito de Buda, para um budista esclarecido, não representa mais a personalidade humana de Gautama do que, para um cristão esclarecido, o conceito de Jeová é idêntico ao espírito demoníaco de Horeb.

A pobreza da terminologia, junto com a manutenção sentimental de uma nomenclatura antiga, impede muitas vezes de compreender o verdadeiro significado da evolução dos conceitos religiosos.

Gradualmente, o conceito de Deus, como um contraste do Absoluto, começou a aparecer no budismo.

As suas fontes remontam aos primeiros tempos em que os seguidores do Caminho Menor se diferenciaram dos do Caminho Maior.

Foi em meio a essa última divisão do budismo que a concepção dual de Deus e do Absoluto finalmente amadureceu.

Passo a passo, século após século, o conceito de Deus evoluiu, com os ensinamentos de Ryonin, Honen Shonin, e Shinran no Japão, até que esse conceito finalmente veio a frutificar na crença de Amida Buda.

Entre esses crentes, é ensinado que a alma, ao experimentar a morte, pode escolher desfrutar de uma estada no Paraíso antes de entrar no Nirvana, o estado último da existência.

Proclama-se que essa nova salvação é alcançada pela fé nas misericórdias divinas e por meio do cuidado amoroso de Amida, Deus do Paraíso, no Ocidente.

Na sua filosofia, os amidistas se atêm à Realidade Infinita que está além de toda a compreensão finita dos mortais; na sua religião, eles aderem à fé no todo-misericordioso Amida, que ama o mundo a ponto de não suportar que nenhum mortal, que faça um apelo ao seu nome com uma fé sincera e com um coração puro, deixe de obter a felicidade superna do Paraíso.

A grande força do budismo vem do fato de que aqueles que aderem a ele estão livres para escolher a verdade de todas as religiões; essa liberdade de escolha raramente caracterizou qualquer fé terrena.

A seita Shin, do Japão, quanto a isso, se tornou um dos grupos religiosos mais progressistas no mundo; ela reviveu o antigo espírito missionário dos seguidores de Gautama e começou a enviar instrutores até outros povos.

Essa vontade de adotar a verdade de toda e qualquer fonte é, de fato, uma tendência recomendável que surge entre os crentes religiosos durante a primeira metade do século vinte após Cristo.

O próprio budismo está passando por um renascimento neste século.

Por meio do contato com o cristianismo, os aspectos sociais do budismo foram muito engrandecidos.

O desejo de aprender voltou aos corações dos monges da irmandade, e a difusão da educação, nessa comunidade de fé, irá certamente provocar novos avanços na evolução religiosa.

No momento em que este documento foi escrito, uma grande parte da Ásia mantinha as suas esperanças no budismo.

Irá essa nobre fé, que tão valentemente perdurou atravessando as idades das trevas no passado, receber, uma vez mais, a verdade das realidades cósmicas expandidas, tal como os discípulos do grande mestre da Índia, certa vez, ouviram a sua proclamação da nova verdade.

Essa fé antiga, uma vez mais, responderá ao estímulo revigorante da apresentação dos novos conceitos de Deus e do Absoluto, pelos quais procurou por tanto tempo.

Todo o nosso planeta aguarda a proclamação da mensagem enobrecedora de Jesus, livre das doutrinas e dos dogmas acumulados por vinte séculos de contato com as religiões de origem evolucionária.

É chegada a hora de apresentar ao budismo, ao cristianismo, ao hinduísmo, e a todos os povos de todas as “fés”, não mais um evangelho sobre Jesus, mas a realidade viva e espiritual do evangelho de Jesus.

 

 

Texto de José Maria Font Juliá, com base no UB.

Curta
comments powered by Disqus